07/03/2014

Over Again: Capítulo 18

Over Again.

I shoulda known when I got you alone, that you were way too into me to know.. -Demi Lovato/Something That We're Not.

Liam Pov’s on.

Eu: AAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHH!! –trombei com a pessoa que estava correndo 
na minha direção. Tinha me perdido da Megan fazia exatamente 10 minutos, eu sou 
muito idiota, não sou capaz de tomar conta nem de mim, porque eu chamei ela pra sair mesmo? Ah o Harry pediu.
Xxx: MINHAS BATATAS! AH QUE LEGAL, AGORA ALÉM DE ME PERDER DO ERICK, SER PERSEGUIDA POR UM CACHORRO, EU TENHO O AZAR DE DEIXAR MINHAS ÚNICAS COMIDAS COM O QUE EU PODERIA SOBREVIVER POR MINUTOS NESSA TERRA CAIREM. Obrigado Deus. –meu coração disparou, eu conheço essa voz.
Eu: Você está bem? Eu te machuquei? Ai meu Deus, seu braço ta sangrando muito. 
Eu sou um idiota. Quer ir pro hospital? Eu te levo, eu chamo um táxi, você vai na minha corcunda, você... -ela gargalhou olhando pra mim- Do que está rindo? Estou tentando te ajudar! –ela olhou pra mim- SEUNOME? –arregalei meus olhos.
Você: Ai meu Deus é o menino do colar. Quer dizer o Liam, ai meu Deus! –ela se afastou 
de mim me olhando- Eu não acredito que trombamos de novo. –ela sorriu e puta que pariu, 
não faz isso.
Eu: Eu..Mas..Você.. –não sabia o que falar, nos trombamos de novo, isso é destino não é possível- Acho melhor... nós sairmos daqui! –tinha um cachorro chegando bem perto da 
gente rosnando e ele não tinha cara de que queria carinho, não- Anda, corre! –peguei na 
mão dela e saímos correndo.
Você: O que? Meu Deus! Calma. –ela segurava minha mão com força para não cair e 
tentava correr, estava parecendo uma avestruz sambando, mas continuava linda, isso é um pouco horrível da minha parte. Mas ela continuava linda- Liam, Liam.. não consigo mais, 
por favor! Vamos parar, acho que já o despistamos. –entramos em um beco que estava totalmente deserto e ela se sentou no chão, tentando ganhar fôlego e eu fiz o mesmo.
    O silêncio se estabeleceu ali e eu só conseguia ouvir as batidas do coração dela que 
estavam cada vez mais fortes, mas estavam desacelerando aos poucos. Minha respiração 
voltou ao normal e eu a olhei e ela me olhou de volta sorrindo de lado e olhou pra frente.
Eu: Groupie. –foi a coisa mais estúpida que eu já pude dizer na minha vida, mas era a verdade.
Você: Como? –ela me olhou, parecia indignada.
Eu: A Megan já me disse tudo. –encarei ela.
Você: QUEM O QUE? –ela gritou com raiva- Você conhece a Megan da onde?
Eu: Ela me devolveu o colar. O meu colar. –ela colocou a mão no pescoço.
Você: O colar... Ela pegou. –ela olhou pro nada.
Eu: Eu realmente pensei que você estivesse indefesa aquele dia.
Você: Eu estava.
Eu: Você não sofre bullying.
Você: O que você está dizendo? Que eu menti?
Eu: Você faz bullying com ela, SeuNome. Você só se aproximou de mim pela fama, porque você fez isso? Isso é totalmente inútil. Totalmente sujo, isso é errado. Eu sou um ser 
humano, eu sou um garoto normal. Um garoto normal de Wolverhampton.
Você: Que idiotices você está dizendo? Eu nunca me aproximaria de ninguém por fama, 
muito menos pelo dinheiro ou qualquer outra coisa. Eu não sou uma groupie. Eu sou só apenas uma garota que veio do Brasil, porque meus pais se separaram e eu tive que vir 
morar aqui por causa do emprego do meu pai. –ela já estava gritando nessa hora- Eu tive 
que morar aqui e tenho que aguentar as brincadeirinhas idiotas que a Megan faz COMIGO! Tenho que aguentar olhares tortos por toda escola. Pessoas rindo de mim, me dando apelidos toscos. Tenho que aguentar a merda da saudade da minha mãe que ficou no Brasil. E AINDA TENHO QUE AGUENTAR UMA PESSOA QUE NÃO ME CONHECE ME CHAMANDO DE GROUPIE! –ela estava furiosa. Que porra que eu fiz? Fiquei sem palavras, sem ação, sem o que dizer. Eu não sabia de nada disso, sabia apenas o que a Megan tinha me dito- Eu sou tão vulnerável. Porque mesmo eu estou falando isso com você? –ela se levantou.
Eu: Aonde você vai?
Você: Embora, ou você acha que eu vou ficar aqui ouvindo insultos seu? Eu já tenho problemas demais. Não preciso de mais um na minha vida, Payne. –levantei e puxei seu 
braço e ela veio com toda intensidade. Opa. Corpos pertos demais. Eu olhei nos olhos dela 
e ela nos meus.
Eu: Megan me disse que você era uma groupie. Que te conhecia e que você só quer a fama das pessoas. Disse que você faz bullying com ela e ela não aguenta mais. Que você se faz de uma coisa que não é.
Você: É claro, eu sou assim. Eu sou uma pessoa horrível. E você acreditou? Porque deve ser um hobbie seu né, acreditar na primeira pessoa que fala algo totalmente inútil pra você. Se eu disser que sou lésbica você vai acreditar? –arregalei os olhos.
Eu: O que? Você é lésbica? –ela revirou os olhos.
Você: Não seu imbecil. –ela se afastou de mim.
Eu: Graças a Deus, porque seria um disperdicio. –ela corou.
Você: Eu vou embora daqui. –ela saiu do lugar, mas eu a barrei.
Eu: Porque ela mentiria?
Você: Você realmente não conhece as pessoas. Você é muito ingênuo. Com licença. –ela foi andando, mas quando estava virando a esquina bateu com o pé em um caixote, ri com a cena e corri até ela.
Eu: Você está bem?
Você: Eu to com cara de que to bem, Payne? Eu acabei de cair. Que merda! Tem como ficar pior? –começou a cair uns pingos de chuva em cima de mim, creio que nela também- Ai não, não, não, não. Isso não pode está acontecendo. Porque eu tenho tanto azar?
Eu: Me da a mão, eu te ajudo.
Você: Não preciso da sua ajuda, eu sei me levantar sozinha.
Eu: Deixa de ser teimosa.
Você: Me deixa, Payne.
Eu: Para de me chamar de Payne!
Você: Não. Payne. –revirei os olhos.
Eu: Tudo bem. –me virei pra ir embora.
Você: Aonde você pensa que vai? Me ajuda aqui.
Eu: Você por acaso sofre de bipolaridade? –eu a olhei e ela bufou.
Você: Me ajuda, logo! Não tenho tempo pras suas gracinhas.
Eu: Se não saísse afobada que nem uma lhama com asma, não teria acontecido isso. –ri do que eu falei.
Você: ME CHAMOU DE QUE? –eu a ajudei a levantar.
Eu: Para de fazer escândalo.
Você: EU FAÇO O ESCÂNDALO QUE EU QUISER! –eu gargalhei.
Eu: Você disse que era do Brasil, né?
Você: O que isso tem haver? –ela revirou os olhos e colocou uma mexa de seus cabelos 
atrás da orelha.
Eu: Nada. Vem, se apóia em mim. –peguei o braço dela e envolvi na outra parte do meu ombro.
Você: Porque raios começou a chover do nada? –ela olhava pro céu.
Eu: Até parece que nunca viu filmes de Romance. Quando o mocinho vai salvar a mocinha, sempre tem uma chuvinha básica, pra rolar um clima. –sorri sem malicia.
Você: Estou à espera do meu mocinho, então.
Eu: Hey! -ela riu- Pra onde vamos agora? Que legal.
Você: Eu não sei aonde eu to. Eu to perdida, ok? Você que precisa me ajudar.
Eu: Mas eu acho que eu também to perdido.
Você: Como assim? Você mora aqui! Que perfeito, Payne.
Eu: Espera, espera. Estou tentando pensar.
Você: Enquanto você pensa, eu já estou com gripe.
Eu: Me desculpe, vamos pra de baixo daquela árvore.
Você: Ta maluco? E se começar a trovejar?
Eu: Ah é verdade! Ai meu Deus!
Você: Eu não pensei que meu fim poderia ser, morrer de gripe, com um cantor ao meu lado. Que deselegante.
Eu: Ofensivo. –ela se encolheu sem retrucar- Quer meu casaco?
Você: Não precisa, estou bem.
Eu: Toma aqui. –tirei com um pouco de dificuldade por causa de sua mão- Você esta com frio.
Você: Obrigada. –ela pegou e colocou.
Eu: Ali. Tem uma marquise ali, vamos pra lá. –passei a mão na cintura dela, caminhando 
até de baixo da marquise- Senta aqui. -ela se sentou no chão, encostada na parede e eu 
sentei ao lado dela.
Você: O que vamos fazer?
Eu: Porque a Megan faz bullying com você? –perguntei mudando totalmente de assunto.
Você: Eu não sei. Ela me odeia sem motivo. Vamos ter que mesmo voltar pra esse assunto? Estou incomodada. Já basta você ter me chamado de groupie.
Eu: Ela disse com muita convicção oras, ela até chorava.
Você: É claro, ela sabe atuar tão bem. –ela sorriu irônica.
Eu: Estou confuso.
Você: Não preciso que você acredite em mim.
Eu: Mas eu quero acreditar.
Você: Eu era apenas uma fã.
Eu: Você... é uma directioner? –acho que eu estava com um sorriso idiotamente idiota no rosto.
Você: Sou. Mas pouco importa, você deve achar que eu estou mentindo e que ainda sou 
uma groupie. Você pode por favor, parar de falar nisso e arranjar um jeito de eu ir pra 
minha casa? –seus olhos se mantinham triste e o sorriso de poucos minutos atrás se desfez.
Eu: Tudo bem. É.. já sei, vou tentar ligar pro Niall. –peguei meu celular e disquei o número 
dele.


Liam Pov’s off.

             

2 comentários:

Oii cenourinhas!
Sejam bem-vindas (:
O comentário de vocês são importantes para nos.
Então comenta princesa ;3